CASO CLÍNICO | Reabordagem cirúrgica para extensão de artrodese L4-L5 para L2-S1

Hoje apresento um caso clínico extremamente complexo e delicado. Gostaria de me acompanhar nesta leitura?

O paciente deste caso possuía cirurgia prévia de artrodese há mais de 10 anos no segmento L4-L5, evoluindo lentamente com degeneração de segmentos adjacentes à artrodese, passando a apresentar hérnia de disco extrusa no segmento de L3-L4 e degeneração progressiva no seguimento de L5-S1.

Conheça mais sobre este caso

O procedimento de degeneração de segmento adjacente à artrodese é um fenômeno relativamente comum, onde em decorrência da fusão de um segmento vertebral, o segmento acima ou abaixo da área fundida pode apresentar sobrecarga mecânica e evoluir para degeneração precoce, não sendo incomum achados de degeneração sintomática desses segmentos no dia a dia de nossa prática clínica.

Como o paciente apresentava hérnia de disco extrusa no segmento de L3-L4, foi realizado procedimento endoscópico (cirurgia por vídeo) para retirada de hérnia de disco há 3 anos, com melhora importante do quadro sintomático e permitindo assim reabilitação física adequada. O paciente apresentou melhora importante do quadro de dor lombar e de irradiação para quadril direito por aproximadamente 2 anos, onde voltou apresentar piora progressiva e contínua do quadro.

Como muitas vezes ocorre na cirurgia da coluna, a degeneração das estruturas vêm se desenvolvendo com o passar dos anos e com o envelhecimento do paciente, não sendo incomum a necessidade de múltiplos procedimentos com características diferentes; muitas vezes para fusão, outros para manutenção de movimento, algumas vezes para artroplastia e ainda procedimentos específicos para dor residual como bloqueios e rizotomias.

Nesse caso em questão, o paciente não tolerando mais quadro de recidiva de dor de moderada à alta intensidade, sendo decidido então por abordagem cirúrgica extensa para resolução definitiva do quadro, onde o principal objetivo era a reconstrução da lordose (curvatura lombar) normal. Desta forma, em procedimentos como esse para fusão extensa, é fundamental a reconstrução do eixo de lordose lombar, impedindo assim a sobrecarga de outro segmentos e trazendo alívio duradouro ao paciente.

O processo cirúrgico

Foi realizado então abordagem inicial por via anterior, para retirada total dos discos dos segmentos de L4-L4 e L5S1 com substituição dos mesmos por cage lordótico tipo ALIF, reconstruindo assim de maneira agressiva a curvatura lombar, trazendo a mesma para valores angulares normais.

Posteriormente, foi realizada fixação posterior com parafusos pediculares de L2-S1 e descompressão de pontos específicos, onde a eletroneuromiografia intra-operatória (exame para avaliar funcionalidade medular e de nervos), mostrava pontos residuais de compressão.


Pós-operatório - em busca de uma vida sem dor

Paciente hoje com aproximadamente 45 dias de pós-operatório, já tendo retornado às atividades profissionais de forma mais leve, deambulando (andando) sem dificuldade e praticamente sem queixas álgicas, com evolução ainda melhor do que o esperado para o tempo de cirurgia, devendo estar 100% reabilitado com 6 meses de pós-operatório quando a artrodese de L2-S1 estará finalmente consolidada, permitindo assim retorno às atividades habituais normais e sem dor e retorno às atividades esportivas de baixo impacto.

Agradeço a Deus e a minha equipe que sempre me auxilia nestes procedimentos tão complexos e, sobretudo, ao paciente, por confiar em meu trabalho e por não desistir de obter o tratamento que merece para o alívio de suas dores.

Abraços, Dr. André Evaristo Marcondes

Atendimento presencial e à distância

São Paulo, 24 de março de 2022