CASO CLÍNICO | Artroplastia para tratamento de hérnia de disco extrusa

O caso que trago hoje é mais um exemplo de como a Artroplastia de Disco pode restaurar a qualidade de vida do paciente, pois tem a possibilidade de tratar a coluna de forma que antes não se podia imaginar.


Fico feliz em poder proporcionar isso aos meus pacientes, pois a cada dia posso observar os resultados que temos alcançado com as próteses de terceira geração, que são as que utilizo.


Neste caso, o paciente era relativamente jovem, com aproximadamente 40 anos, levava uma vida bastante ativa e uma rotina de atleta. Quando veio a mim, apresentava quadros de dores excruciantes na região da coluna lombar e membro inferior direito, além da perda de sensibilidade neste membro. Uma situação como esta é grave e indica que o problema está tão evoluído que compromete as estruturas neurológicas. O paciente vê sua vida transformada: no lugar das atividades diárias, fica incapacitado, com dores constantes e tem seu trabalho e os relacionamentos prejudicados.


Após análise minuciosa do quadro, identificamos uma hérnia de disco extrusa no segmento L5/S1, o que causava grave compressão radicular e provocava os sintomas citados acima. Seu disco intervertebral também apresentava importante degeneração, com perda parcial de altura e sinais incipientes de instabilidade (frouxidão do segmento devido à degeneração). Dessa forma, sua indicação de tratamento foi a cirurgia urgente de coluna.


Optamos por realizar o procedimento Artroplastia de Disco. Iniciamos com abordagem anterior, onde, através de pequena incisão de mais ou menos 4 cm do umbigo para baixo, retiramos o disco e fragmentos herniados que causavam a compressão radicular. Em seguida, estabilizamos este segmento com a colocação de um disco artificial.


Este sistema de Artroplastia consiste na troca de um disco intervertebral doente por uma prótese, que permite:

- Restabelecer a anatomia normal do segmento;

- Manter os movimentos, mesmo após a cirurgia;

- Reconstruir a lordose lombar (curvatura normal da coluna lombar).





O resultado foi excelente, com o paciente totalmente recuperado do quadro álgico e parestesia apresentados antes do procedimento.


Apesar de eu ser um entusiasta da técnica, sobretudo por permitir o tratamento da discopatia sem limitar os movimentos, é importante destacar que a Artroplastia de Disco tem indicações mais restritas a pacientes jovens, de preferência até 50 anos, com doença discal em estágio intermediário e sem a presença de degenerações graves em outras estruturas do segmento.


Agradeço à minha equipe pelo apoio de alto nível; ao paciente pela confiança no meu trabalho; e a Deus, pelas oportunidades que tive para que eu chegasse até aqui, neste trabalho que amo e posso transformar vidas.


Abraços,



Dr. André Evaristo Marcondes

Atendimento presencial e à distância

São Paulo, 20 de Junho de 2021