CASO CLÍNICO | A Ferrari cada vez mais distante do cidadão comum

Alguns casos são realmente desafiadores e requerem extrema técnica por parte da equipe cirúrgica. Te convido a conhecer este caso que foi muito comentado em minhas redes sociais. Me acompanha nesta leitura?


Paciente com queixa de dor lombar com irradiação para membro inferior direito há mais de dez anos, com piora severa e progressiva nos últimos oito anos, sendo submetida há seis anos a procedimento descompressivo através de endoscopia em coluna lombar realizada por outra equipe, não apresentando no pós-operatório precoce, nem no pós-operatório tardio, melhora efetiva do quadro álgico, sendo realizado novo exame de ressonância após três meses da cirurgia endoscópica e mantendo fragmento herniado no local previamente apresentado, possivelmente em decorrência de recidiva da hérnia de disco após a retirada endoscópica por outra equipe.


Entenda mais sobre o caso

Durante todo esse período, o paciente foi evoluindo com degeneração grave do segmento operado, além de contínua piora clínica e neurológica, dando entrada em nosso serviço com os exames de imagem acima expostos evidenciando perda total da altura discal do segmento L5-S1 onde um platô ósseo vertebral já estava em contato com o platô ósseo adjacente, causando quadro álgico extremo, tanto em coluna lombar quanto em membro inferior direito. O caso mostrou-se agravado por perda progressiva de sensibilidade em região de panturrilha e pé e perda parcial de movimentos para dorsiflexão de tornozelo e hálux direito.



O procedimento cirúrgico

Foi realizado descompressão medular e radicular por via anterior (procedimento tecnicamente muito difícil de ser realizado em discos com altura discais tão baixas) associado à estabilização anterior com artroplastia lombar tipo M6-L de terceira geração, sendo facilmente visualizado na terceira imagem a reconstrução da altura discal, a reconfecção da lordose lombar (o alinhamento em C da coluna lombar) além da descompressão indireta da raiz de L5 pelo ganho de altura e a manutenção de movimento normal nesse segmento de L5-S1.

Ressalta-se que o paciente já não apresentava mobilidade no segmento operado, tendo em vista a ausência do disco e o impacto de osso contra osso, ou seja, após a realização desse procedimento, além das inúmeras vantagens já citadas previamente, o paciente não só não apresentou perda de movimento como recuperou a mobilidade normal do segmento de L5-S1.


Recuperação após o procedimento cirúrgico

Paciente hoje em segundo pós-operatório de abordagem cirúrgica, já deambulando sem queixas álgicas em coluna lombar e sem qualquer dor no trajeto do nervo ciático, com alta prevista para amanhã (terceiro pós-operatório) e devendo retornar a atividade física de moderada intensidade com musculação ou natação no período máximo de 90 dias.


Casos como este nos enchem de orgulho não só pela dificuldade técnica na realização do procedimento, como na coragem de tomada de decisões não ortodoxas, mas sempre visando o bem-estar do paciente ao ser tratado e, acima de tudo, agradecendo a proteção divina pelo resultado satisfatório ao término da cirurgia.


A Ferrari cada vez mais distante do cidadão comum

Dentro do contexto político atual e da progressiva perda de liberdade do cidadão em decorrência do ativismo judiciário, vale ressaltar que este tipo de artroplastia para coluna lombar não faz parte do Rol da ANS, sendo agora após absurda decisão da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de transformar o Rol da ANS em obrigatório ainda mais difícil a realização deste tipo de procedimento na população brasileira.

Claro que as famílias mais abastados com capacidade financeira de arcar com tratamentos extremamente custosos como esse, ou capazes de contratar os melhores advogados manterão, o seu direito de realizar procedimentos cirúrgicos e técnicas mais modernas como as apresentadas acima, no entanto, como repentinamente e frequentemente acontece em nosso país, a população mais pobre e carente terá ainda mais dificuldade de ter acesso a uma saúde de ponta e qualidade.


Deixo aqui registrado o meu desconforto e decepção com o Sistema Judiciário mediante a decisão tão descabida e que tanto mal fará a população mais carente do nosso país.

Abraços,


Dr. André Evaristo Marcondes

Atendimento presencial e à distância

São Paulo, 06 de julho de 2022